No dia 2 de abril, se "comemora" a conscientização das pessoas com autismo, talvez comemorar não fosse bem, uma palavra certa, mas é através desse dia que podemos saber que existem pessoas "diferentes" que vivem um mundo com outros olhos. Saber que podemos ajudar a contribuir para vida dessas pessoas é sim motivo de "comemoração". Porque ser diferente não é ruim, mas o esteriótipo que vejo, isso sim é de fato ruim. 

 Mas, vamos lá. O que é autismo?  é considerado um distúrbio do comportamento e caracterizado por déficits na interação e comunicação social, restrita por uma variedade de interesses e por padrões de comportamentos repetitivos, estereotipados e maneirismos, ou melhor uma alteração provocada por diversos fatores tanto sendo biológicos, ou genéticos, que reflete nos comportamentos de socialização ,interação e comunicação com outras pessoas. Essa dificuldade em interagir socialmente, os autistas demonstram através algumas coisas, por exemplo, colecionar cordões, lenços, pedras, bonecos. e além disso os comportamentos são repetitivos, como fazer o mesmo movimento várias vezes, na faculdade minha professora falava que um autista pegava um boneco e segurava como se fosse "um baby" e balançava para frente, e para trás,  por horas. Ou utilizava um lenço como forma de uma continuação do seu ser.
                                             

Quero mostrar aqui como uma gata conseguiu ajudar uma menina autista a melhorar seus comportamentos. Vocês sabem, que eu amo animais, principalmente quando se fala de gatos. Eles são incríveis, existem pessoas que falam mal por serem falsos, mas eles são sinceros e vemos com olhos de julgamento. Eu sinceramente amo todos! Eu perdi recentemente uma gatinha, e doei outros dois. Ficando com três. Porque nem sempre dá para ter tudo. Mas, jamais tire nada de um autista, hoje, vejo que é melhor você ter um, ou dois animais bem cuidados..que muitos e com pouca atenção. Sei que meus animais doados estão bem, mas voltando ao assunto central, vou contar a história de Iris.



Iris Grace começou a pintar em 2013, incentivada por seus pais, Arabella e Peter-Jon Halmshaw, que inventaram sessões de arte para estimular a concentração e a fala, tentando seguir o currículo nacional de educação no Reino Unido. A ideia era proporcionar uma atividade que distraísse a filha e a ajudasse a tentar se comunicar, uma das ferramentas da chamada arteterapia. ( utilizada como uma ferramenta por muitos profissionais para ajudar pessoas com distúrbios e transtornos comportamentais e mentais). O que aconteceu pouco depois foi surpreendente. Pinturas extraordinárias para uma criança (e até um adulto comum) tomaram forma. Era o olhar da menina autista para os habitantes de seu mundo encantado, repleto de natureza e música clássica - Iris se acalma ouvindo música, ( a música também é uma estratégia muito interessante para ser usada, como já falei aqui no blog sobre Musicoterapia),  desde quando era um bebê, conhece todos os instrumentos de uma orquestra e adora o violino, em especial (ela já tem um).



Em fevereiro de 2014, um novo personagem passou a fazer parte da vida de Iris - e a mudá-la para sempre, aliviando seu isolamento. Thula, com pouco mais de 2 anos de idade, é uma gatinha da raça maine coon, (amo essa raça)!!! conhecida como inteligente, gentil e... bem, gigante! A raça chega a ficar com 1 metro de comprimento, até o fim do rabo. "Thula baixou a ansiedade de Iris e a mantém calma. Ao mesmo tempo, a encoraja a ser mais sociável", contou Arabella, uma fotógrafa que criou um site na internet para divulgar a história da filha. Depois da chegada da gatinha, a menina passou a pronunciar pequenas frases como: "Sente-se, gata!". Havia meses que a família procurava por um animal terapêutico. Tentou, em vão, cavalos, cachorros (Iris odiava ser lambida e a hiperatividade do cão a deixava muito nervosa) e até mesmo gatos, mas percebeu que ainda não tinha encontrado o companheiro certo até a pequena conhecer Thula.

A história de Iris tem sensibilizado muitas pessoas ao redor do mundo para a questão do autismo - e do quanto tratamentos adequados podem trazer evoluções e alegria para quem sofre da doença e para seus cuidadores. Algumas personalidades, como o ator americano Ashton Kutcher, 37, têm ajudado a divulgar o trabalho da pequena pintora. Em 23 de setembro de 2014, ele compartilhou uma foto de um quadro da inglesinha em seu perfil no Instagram, escrevendo na legenda "eu quero um desses". A mãe, Arabella, comentou, na época: "Estou certa de que esse post teve um enorme impacto para aumentar o conhecimento das pessoas. E, ao me deixar guiar pelos interesses de Iris, tenho sido capaz de envolvê-la em muitas coisas. Iniciamos também nosso próprio clube de atividades todos os sábados pela manhã, para apoiar crianças com autismo".



(imagem tiradas do site cat club, gazeta, e pesquisa e registro feito pelo site planetasustentavel e melinasouza.com)



Beijos e até em breve pessoal, ajudem compartilhando essa mensagem de ajuda a crianças, pais, e família e profissional, que é possível uma mudança através dos animais e ferramentas mais acessíveis que somente terapia. 




    Olá, desculpe por minha ausência, mas muitas aconteceram por aqui. Vou contar resumidamente por aqui. Eu viajei para espairecer minha cabeça e numa dessas idas a Petrópolis, eu e Dudu ( meu marido) decidimos nos mudar.
    Porém, não deu certo, encontramos a casa, mas não conseguimos estar seguro naquele lugar, pelas chuvas e deslizamentos que aconteceram por ali. Mas, o trabalho, estagio e oportunidades por aqui contaram e pesaram muito mais também. Quem sabe um dia né? 

   Mas, eu resolvi me afastar do blog porque, fiquei pensando se voltaria ou não. Pois, eu me estressei muito por conta de muitas frustrações no meio do caminho, e precisei respirar um novo ar. E finalmente estou de volta para dizer, que voltei para ficar :)

   Quero que vocês apreciem as fotos lindas desse lugar que amo, ter contato com a natureza e o frio da região serrana desse lugar é lindo! Amo Petrópolis.




   Esse seria o quintal lindo que iriamos ficar, muita natureza. Eu fiquei muito triste com todas essas mudanças. Mas, nada como me inspirar nesses lugares para poder escrever e expressar como é lindo conviver com esse ambiente. Mesmo que seja apenas agora para passear.


Eu estou já com muitas saudades desse lugar! 






Que saudades dessa pousada! Pousada Monte Imperial. Ou melhor, o quintal lindo dessa pousada.




   Essa é a pousada mais conhecida e exótica de Petrópolis, eu li num site que eles colocam como: "Europa no Brasil". Do lado desse lugar, tem uma churrascaria muito boa, senão a melhor que já fui :) http://www.sistersintravel.com/tips/europa-no-brasil/



   Com tantas lembranças fica complicado não sentir uma tristeza por não ter conseguido morar aí. Confesso que fui um pouco difícil não viver nessa cidade. e mais ainda fazer essas fotos tão lindas, com certa tristeza. Vou deixa vocês com a beleza desse lugar! 





                                                 O tempo frio e gostoso desse lugar :)




                                                                      Pousada koeller
                   

Espero que tenham gostado do lugar e das fotos! E quem puder ir vai amar conhecer a hospitalidade, e educação desses  petropolitanos!



                                             Xoxo  pra todos!

Eu





   Até quando resistimos a suportar relacionamentos, que não fazem bem para nossa alma? 




   Já se perguntaram o quanto você pode se envolver por carência, e esse relacionamento ser tão abusivo psicologicamente, fisicamente ou dentro de você [emocionalmente, inconscientemente]. Ninguém, em sã consciência prefere estar dentro de um relacionamento assim, mas na psicologia se diz que o modelo adquirido seja em casa, ou de quem nos criou, acaba por ser repetido de alguma maneira na nossa vida emocional. Para Freud,  Ele afirma que enquanto o paciente se encontra em tratamento, não pode deixar de ter esta compulsão à repetição, que é uma maneira de recordar sem que a pessoa se dê conta do que está ocorrendo, ou seja, quando o paciente repete, ele atua sem saber que está repetindo. Trabalhando na perspectiva da primeira tópica, Freud acredita que para lidar com a repetição e superar a resistência é preciso tornar consciente o que está inconsciente.


   Por isso, eu falo para você e para todos psicologia não é apenas uma conversa com um bom amigo, não que isso seja descartado, porque os bons amigos nos falam coisas que precisamos ouvir, mas, quando estamos dentro desse tipo envolvimento precisamos procurar ajuda porque não pense que melhora essa situação com o tempo, e seu emocional acaba se desestruturando a ponto, que a pessoa desenvolva outras doenças, podendo ser psicossomática [a soma de doenças, geradas no físico, começando na psique, mente.] 


   Não deixe sua vida nas mãos de outro, você, eu e todos merecemos estar num relacionamento feliz, saudável e estruturado, mesmo que você não tenha aprendido o que é ter carinho, amor. O tratamento psicológico pode até ensinar para quem está disposto a enfrentar as dores, cuidar da alma. Começa com um machucado mas pode cicatrizar e você viver plenamente, não num mundo cor de rosa e cheio de contos de fadas. Mas, numa vida digna e feliz. 

Obrigada por tudo pessoal! Seja sempre bem vindo e acolhido nessa página que também é sua. 




Uma parte tirada desse texto:
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-73952007000100012


   Olá pessoal, tudo bem? Venho hoje apresentar a vocês uma resenha de um livro de contos e poesia da Autora Juliana Aguiar, editora Multifoco. Adorei a forma de expor os sentimentos do livro baseado num amor puro e leal. Contrariando toda forma de expressar como podemos amar, e se entregar a esse sentimento. 
   As poesias são intensas, dedicadas a um amor que acolhe, e não agride, não te sufoca, mas deixa você livremente para desafiar todos que já se fecharam para isso. Enquanto, lia só me fez vim a mente um casal super apaixonado de um tempo que valorizava o amor como expressão de viver.

   E não apenas, fazia do amor algo efêmero. O amor é um sentimento agradável, que foi desvalorizado porque as pessoas colocaram prioridades acima dele. E por vezes, acaba sendo sufocado. E o medo? Levou embora, amores que vem como nos livros de poesia iguais a esse.



Texto da orelha: Todo amor é paz. Todo amor traz sorrisos. Todo amor é valioso. Contrariemos todas as coisas que se opõem ao amor: contrariemos os desencontros de espécies, de seres, de almas; enfim, de tudo.


Sinopse: Contrariemos os desencontros é uma antologia poética visando o amor como tema principal e primordial, em sua forma mais ampla. A apologia aos encontros é uma metáfora de tal sentimento, com toda a sua pureza e sinceridade. Devemos contrariar os desencontros sempre, pois, com mais amor, mais felizes somos.




Deixo vocês com um trecho da poesia que me identifiquei bastante, e recomendo muito o livro da Ju. 


A noite é dos poetas,

Loucos.

Que cantam com suas vozes

Roucas.

As mais sentidas melodias de

Amor.

Loucos.

Roucos.

Amam.

Um pouco sobre como autora chegou até aqui: 


auto biografia: Juliana Aguiar nasceu em 1997, tendo sido selecionada por diversos concursos literários nas modalidades conto e poesia, dentre os quais o 1º Concurso literário de poesias amigos da biblioteca de Sumaré. Publicou seu primeiro livro a solo – Contrariemos os Desencontros – em 2016, e sonha publicar mais e mais, tendo diversos projetos guardados em sua gaveta. 

Podem comprar também pelo link da página da própria autora que vem com brindes: https://www.facebook.com/ContrariemosOsDesencontros/posts/655198571295464

Musicoterapia é a utilização da música através de seus elementos constituintes (ritmo, melodia e harmonia) por um(a) musicoterapeuta qualificado em um processo destinado a facilitar e promover comunicação, relacionamento, aprendizado, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, com o fim de atender às necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas do paciente. A musicoterapia busca desenvolver potenciais e/ou restaurar funções do indivíduo para que ele ou ela alcance uma melhor qualidade de vida.





                                                       (www.redehumanizasus.net)


A formação desse profissional é feita em cursos de graduação em musicoterapia ou como especialização para profissionais da área de música ou saúde (músicos, professores de música, médicos ou psicólogos). Em alguns países, a musicoterapia também pode ser parte de uma formação em arteterapia, que envolve, além da música, técnicas de artes plásticas e dança.




Estilos musicais:
A intervenção terapêutica pode vir associada a outras técnicas como relaxamento progressivo, treinamento autógeno, reiki, ioga ou acupuntura. Apesar de haver um subentendido consenso sobre os benefícios da música clássica ou a música psicodélica eletrônica de sons contínuos ou no caso de acupuntura e ioga indiana associada à meditação assim como a música da China, é correto saber que o efeito da música sobre o paciente depende de sua história de convívio com os diversos estilos musicais por um processo de condicionamento estético e/ou vivência por ventura associadas.

A história da musicoterapia surgiu no Instituto Lucy Montoro que teve início em 2011, quando a Professora Maristela Smith propôs um projeto piloto na área. Essa iniciativa foi um sucesso. Assumindo alguns atendimentos. Mas, foi o musicoterapeuta Renan que assumiu esse papel na unidade do Morumbi, envolvendo pacientes com limitações na coordenação e na área cognitiva. Com crianças ele explora percepções sensoriais, estimulando questões táteis, auditivas e visuais.



Achei muito interessante essa especialização para ajudar pessoas que possuem problemas na linguagem, coordenação, e tantas outras. Creio que seja ótimo para quem tem um filho , amigo, conhecido autista, porque tanto as pessoas envolvidas como a pessoa tem uma melhora surpreendente na qualidade de vida.  :)


Texto e imagem tirados dos sites:
www.lookfordiagnosis.com
www.redehumanizasus.net

Olá pessoal, tudo bem? Hoje, quero trazer uma dica muito legal de um livro inspirador que li esses dias: A fada. 


   Eu amei esse livro, me deu inspiração para resenhar aqui no blog, eu li algumas pessoas que gostaram da narração, mas que acharam a história  muito boba. Eu particularmente não acho que existam histórias bobas, acho que nem todas as pessoas que leem estão preparadas para conhecer o mundo da fantasia. Eu amo essas histórias, porque a nossa vida no geral é tão cheia de pancadas, e é sempre bom quando posso sentir aquela sensação boa de poder viajar por entre os livros. E poder ir para um lugar distante na minha imaginação. Da Editora Leya.



                                                                (Melina Souza)



   Conheci esse livro através do blog da Melina Souza, ele foi publicado no ano de 2012. Eu não procuro livros sempre que estão em alta fazendo sucesso, livro é livro. Eu gostei da história da personagem que é um tanto sofrida, pelas coisas que acontecem em sua vida. Os jovens quando fazem aniversário, principalmente de 18 anos ganham presentes caros, viagens, festas surpresas ( eu nunca ganhei, rs) Melanie [amei esse nome] ganhou no dia do seu aniversário a morte do seu pai. 


   A leitura é fascinante te envolve no mundo das fadas, porque Melanie descobre que não é uma pessoa comum, um ser humano "normal" ela começa a descobrir asas em suas costas, e saber que tem uma missão aqui nesse mundo, só precisa descobrir qual. Eu devorei o livro, cada página era uma descoberta interessante a mais sobre o que Melanie veio fazer nesse mundo encantado e sonhador do mundo das fadas para uma realidade diferente. E para isso ela precisava dessa descoberta para deixar londres e ir para  Fairyland. Algumas pessoas, podem sentir falta desse envolvimento maior sobre como é ser fada que o livro deixa meio vago. Mas, fica uma dica de quem curte esse tipo de livro que trás muita imaginação.






 A autora Carolina Munhóz ganhou premio desse livro, por isso, que não é atoa que seja um livro desinteressante. A mesma, foi num programa falar sobre sua história de vida, e eu fiquei bastante interessada porque ela sofreu 
bullying  na época da escola, e a escrita foi sua fuga para desapegar dos problemas que envolviam seu lado emocional. Tanto ler quanto escrever é uma terapia muito interessante para descontrair problemas que te sufocam. Fica minha dica hoje de livro e resenha. Espero que gostem! Beijos e até próxima. 



   Olá pessoal, peço desculpas a todos que gostam do meu blog e eu não ter postado por alguns dias. Eu entrei de férias da faculdade e preferir dar um tempo para minha cabeça, essa semana voltei a postar na minha fanpage, instagram. E inclusive no blog, ontem eu coloquei uma resenha sobre um livro que está fazendo muito sucesso. "Como eu era antes de você;"



   Mas, infelizmente tive um problema com a colaboradora e resolvi apagar o texto por tudo que eu fui "obrigada" a ler. Não gostei e também não vou mencionar nada sobre isso aqui, do que já estou escrevendo. Mas, como tive muitas visualizações na fanpage tive que escrever alguma coisa para os leitores ao passar aqui e não entender nada. A pessoa que escreveu a resenha não entendeu a proposta do meu blog. E quero aproveitar e deixar explicado que meu blog não é apenas resenhar, eu falo sobre psicologia e sobre experiências que gosto de compartilhar com todos aqui.

   E logo após a resenha, eu coloquei a experiência de um casal que eu experienciei e essa pessoa não gostou, porque ela achou que eu acrescentei palavras a mais a resenha. Gente, esse blog eu não ganho nada por isso, faço por amor ao escrever. E gosto muito de expor minhas ideias e o que eu compreendi das leituras, e sobre psicologia para ajudar pessoas que precisam de ajuda. Quem não está feliz com meu trabalho eu aprendi a não andar mais junto.

   Porque acima de tudo está minha ética, eu não coloquei nada para mudar o livro nem alterar nada de outra pessoa, apenas escrevi uma experiência e fiz menção  a história do livro. Bom, hoje caminho sozinha porque o blog é meu e não tenho porque expor mais esse assunto, afinal eu escrevo aqui o que eu bem entender. E quem gosta sei que está disposto a curtir tudo por aqui é bem vindo sempre!


   Pessoal, não vou sumir mais heheheh. Tudo na vida é uma aprendizado que ganhamos, e eu aprendi que o que eu escrevo é bom. E eu amo meu blog! xoxo e obrigado por todos que visitam!