Pollyanna é considerado um clássico da literatura infanto-juvenil, da Editora Saraiva de bolso.  Apesar de ser uma leitura nessa classificação pode ser apreciado por todas as idades. Um livro que tira o folego sobre a forma de viver, a sensibilidade em que a criança encara todos os momentos, e como ela ajuda as pessoas em sua volta, pela bondade e generosidade. Pollyana não teve uma vida fácil ficou orfã de seus pais, e quem continuou a criá-la foi sua tia, não era das mais afetuosas. Mas, foi com seu pai em que conviveu um certo período que aprendeu a jogar o "jogo do contente" que significa basicamente encontrar a felicidade nas coisas ruins. E com isso, a menina ao ir morar com tia foi jogando com seus vizinhos, e pessoas perto da casa tia Paulina. É surpreendente como uma criança consegue comover os adultos com sua doçura e modificar os pensamentos e trazer alegria a vida dessas pessoas.
   Até quando Pollyanna sofreu um acidente ela conseguia ver algo de bom naquilo tudo, por ter sido bajulada pela tia que era durona. Mesmo que em alguns momentos era difícil jogar, ou a depressão chegava ela tentava jogar. O livro trás uma lição de como podemos ajudar as pessoas, compartilhando com elas mais amor, generosidade, e doçura em suas vidas. Eu amei esse livro, é um tipico livro que me fez trazer "a memória aquilo me dá esperança" nos dias de hoje. E me fez lembrar que os psicólogos fazem um pouco isso quando organizam a vida dos pacientes, mostram o lado bom para que eles possam se adequar melhor a sua forma de viver e confrontar com que estão passando. Eu me identifiquei muito com a menina, porque quando eu era pequena e tentava sempre mostrar as pessoas o lado melhor de tudo. E com o passar dos anos, a vida foi me machucando e fui escondendo dentro de mim aos poucos uma pollyana e uma alegria desperdiçada por se preocupar demais com as cobranças e com tudo. Mas, eu encontrei algumas dessas "Pollyannas" na minha vida que me fizeram resgatar a alegria de viver. :))

Aperitivo do livro:

" E como se joga esse jogo." — indagou o pastor. — É fácil. Basta tentar proveito daquilo que nos aborrece.

" O que as criaturas desejam é encorajamento. Não se deve censurar sistematicamente os defeitos de alguém, mas apelar para suas virtudes."

Descrição do livro:

Narrativa que impressiona leitores do mundo todo pela intemporalidade de temas, e quer fazer de Pollyanna uma obra eterna e ainda hoje um grande sucesso, pois resgata valores pessoas como bondade, respeito e solidariedade. É a comovente história de Pollyana , orfã de pai e mãe, que vive muitas dificuldades, mas aprende com seu pai, um homem sábio, "o jogo do contente" que a fortalece no dia-a-dia. Então, ensina aos outros para transmitir algo bom. A obra desencadeou nos EUA e no mundo uma impressionante onda de esperança, otimismo, boa vontade e sensibilidade as questões alheias. Uma verdadeira batalha de humanização!!



Típico livro que me fez recordar momentos que vivi na minha infância e adolescência, e filmes que eu via, livros que me fizeram sonhar muito na época dos anos 90. Um livro para ser lido todas as vezes que sua vida estiver triste e precisar "jogar o jogo do contente" :)

Créditos: http://lelivros.red/ 
universoliterario.wordpress.com







Deixe um comentário